Menu

CONFIRAM AS PRÓXIMAS PROGRAMAÇÕES DE NOSSA CONGREGAÇÃO, VISUALIZANDO A AGENDA NO FINAL DA PAGINA

segunda-feira, 21 de agosto de 2017

Um Deus inabalavelmente feliz

Tenho-vos dito estas coisas para que o meu gozo esteja em vós, e o vosso gozo seja completo. (João 15.11) 

Deus é absolutamente soberano. 

“No céu está o nosso Deus e tudo faz como lhe agrada” (Salmo 115.3). 
Assim, Deus não está frustrado. Ele se alegra em todas as suas obras quando as contempla como cores do magnífico mosaico da história redentiva. Ele é um Deus inabalavelmente feliz. 
Sua felicidade é o prazer que ele tem em si mesmo. Antes da criação, ele se alegrava na imagem da sua glória na pessoa do seu Filho. Depois, a alegria de Deus “tornou-se pública” nas obras da criação e da redenção. 

Estas obras deleitam o coração de Deus porque refletem a sua glória. Ele faz tudo o que faz para preservar e manifestar essa glória, pois nisso a sua alma se alegra. 
Todas as obras de Deus culminam nos louvores do seu povo redimido. O auge da sua felicidade é o deleite que ele tem nos ecos da sua excelência nos louvores dos santos. Esse louvor é a consumação da nossa própria alegria em Deus. 

Portanto, a busca de Deus por nosso louvor e nossa busca por prazer nele são a mesma busca. Esse é o grandioso evangelho!

Fonte:http://voltemosaoevangelho.com/

sexta-feira, 18 de agosto de 2017

O AMOR É BENIGNO

“O amor é benigno” (1 Coríntios 13.4).

O amor é… benigno! Ser benigno é ser bondoso em sua essência. É bondoso e gentil por motivação natural. Existe uma diferença entre alguém bondoso e alguém benigno. O bondoso é aquele que faz atos de bondade. O benigno é aquele que age bondosamente porque isso faz parte dele. Um exemplo de amor benigno é o amor de mãe. É um amor que não só faz atos de bondade, mas que quer o bem aos seus filhos o tempo todo! Ainda que seu filho acabe de lhe esgotar de desgosto e raiva, se esse filho cai, se machuca, logo se mostra essa benignidade, pelo cuidado bondoso com que essa mãe vem acudir a seu filho.
Alguém pode fazer atos de bondade, encobrindo interesses, mágoa, rancor, ódio ou qualquer outro sentimento impuro. Porém o amor benigno é esse que, em sua essência, e em todas as suas motivações, e em todo tempo, somente quer a bondade para aqueles que estão ao seu lado. JESUS CRISTO é benigno comigo porque me ama, e todos os Seus pensamentos a meu respeito são de paz e bondade!

quinta-feira, 17 de agosto de 2017

CREIA EM DEUS E EM SUA FIDELIDADE

“Mesmo assim não duvidou nem foi incrédulo em relação à promessa de Deus, mas foi fortalecido em sua fé e deu glória a Deus, estando plenamente convencido de que Ele era poderoso para cumprir o que havia prometido” (Romanos 4.20-21).




Quando  Abraão creu “na promessa” que DEUS lhe fez, ele foi justificado. Quando vieram as impossibilidades, e o tempo passou, acabaram-se as esperanças. Então, Abraão “creu Naquele” que fez a promessa, e isso “também” lhe foi creditado como justiça. Existe um crédito dado por DEUS que recebemos quando começamos a crer e outro quando chegamos ao final crendo.
Abraão começou crendo “na promessa” e terminou crendo “no DEUS” que lhe havia prometido. Abraão creu no caráter fiel de quem lhe havia feito a promessa. Para continuar crendo, além de enxergar sua promessa, Abraão enxergou, de maneira mais forte ainda, a fidelidade do DEUS que lhe havia feito a promessa. Creio em DEUS! Creio na Sua Palavra! Creio na Sua Fidelidade!

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

SEJA PACIENTE

“O amor é paciente” (1 Coríntios 13.4a).

O amor é… paciente! Mas a paciência gerada pelo amor é uma paciência gentil. A paciência do amor não diz: “Tem que aguentar!” Essa paciência é uma decisão de perseverar em amar. Significa algo que perdura muito tempo, ou seja, aguardar amando mesmo que o tempo passe. É continuar agindo gentilmente, ainda que tenha que esperar, diante de atitudes que não correspondam ao seu amor. Essa paciência do amor é diferente de “aguentar” contra sua vontade, mas, sim, insistir em amar com boa vontade.
Quem ama tem paciência e não perde o ânimo; aguarda com bondade que se realize o necessário em seu amado. A paciência do amor é algo que nunca se esgota. JESUS mandou amar com paciência, pois ELE primeiro fez assim comigo, mesmo quando eu ainda não correspondia ao Seu amor!