Menu

CONFIRAM AS PRÓXIMAS PROGRAMAÇÕES DE NOSSA CONGREGAÇÃO, VISUALIZANDO A AGENDA NO FINAL DA PAGINA

sábado, 26 de outubro de 2013

A Oração de Jabez

“Jabez invocou o Deus de Israel, dizendo: Oh! Tomara que me abençoes e me alargues as fronteiras, que seja comigo a tua mão e me preserves do mal, de modo que não me sobrevenha aflição! E Deus lhe concedeu o que lhe tinha pedido.” – (I Crôn 4.10)

É notável a honra que Deus coloca na oração, e inúmeros são os casos que são registrados da sua eficácia. Jabez é aqui mencionado em um longo catálogo de nomes, mas enquanto os nomes de outras pessoas são apenas registrados, ele é particularmente notado: ele mesmo declarou ter sido mais honrado do que todos os seus irmãos, possivelmente esta distinção pode ter-lhe sido dada por conta de sua primogenitura, mas era certamente ainda mais devido em razão da sua piedade; como o patriarca Jacó, ele “lutou com Deus, e prevaleceu.”
I. A oração que ele ofereceu,
1. O objeto da mesma – seu sentido primário, evidentemente relacionado com bênçãos temporais. Deus havia prometido ao seu povo uma herança em Canaã, mas eles não foram capazes de expulsar os seus habitantes. Jabez portanto, consciente de sua insuficiência, orou a Deus por ajuda. Ele pediu a bênção de Deus sobre seus próprios esforços: ele pretendia ser preservado de perigos aos quais as suas façanhas militares o exporiam, e ter, através da intervenção divina, uma ampla herança na terra prometida. Ele fez essas petições com um apelo significativo e sincero.
Quase todos os nomes hebraicos tinham algum significado peculiar. Jabez significa tristeza: o nome foi-lhe dado em memória de alguém, mas não há razão para se pensar que ele também tivesse um significado espiritual.
A Canaã terrestre era típica do reino celestial. Os inimigos também que deveriam ser expulsos, eram típicos dos inimigos com os quais o cristão tem que contender. Além disso, a assistência, que Deus prestou ao seu povo, tinha a intenção de nos mostrar que ajuda podemos esperar dele. E que mal irá desaprovar um filho de Deus tanto como o pecado? Certamente nada é tão “grave” para ele como a prevalência da corrupção. Bem, portanto, pode ser considerado como Jabez olhou para além deste mundo e como implorou uma segura posse da sua herança celestial.

2 . A maneira pela qual ela foi oferecida
É o sentimento, e não a expressão, que dá excelência à oração, mas em ambos os casos podemos observar isto diante de nós:
Era humilde. Ele sentiu toda a sua dependência do poder e da graça de Deus. Isto é íntimo e não apenas petições oferecidas, mas na forma mesma em que foram oferecidas: “Oh que,” etc. Essa humildade é absolutamente necessária para tornar a oração aceitável. Quanto mais nos humilharmos, mais Deus irá nos exaltar. Que isto seja lembrado em todos os nossos endereçamentos ao trono da graça.
Foi inoportuno. Ele fez seu pedido com um apelo muito sincero. Nem, em referência ao pecado, poderia haver qualquer acusação mais apropriada para ele. Mas também podemos depreciar corretamente o pecado como “grave” para nossas almas. Sim, uma disposição para fazer isto é ao mesmo tempo uma prova de nossa sinceridade, e uma promessa da divina aceitação.
Ele estava crendo. O título, pelo qual ele se dirigiu à Divindade, argumentou em favor da sua fé em Deus. Ele expressa uma confiança em Deus como o ouvinte da oração. É desta forma que também deveríamos nos aproximar da Divindade. Sem essa fé nossas petições terão pouco efeito, mas com isso, elas nunca serão em vão. A oração que possuía tais qualidades não poderia deixar de ter sucesso.

II. O sucesso com que foi atendido
Nós não temos nenhum relato detalhado da bondade de Deus para com ele, mas somos informados de que Deus concedeu dores incomuns à sua mãe durante o seu parto.
“Foi Jabez mais ilustre do que seus irmãos; sua mãe chamou-lhe Jabez, dizendo: Porque com dores o dei à luz – (I Crônicas 4.9)”.
E foi em referência a isso que ele menosprezou os males a que ela foi exposta, “Guarda-me,” para que eu não seja Jabez na minha experiência, bem como em meu nome.

Isto nos mostra,
1 . Que devemos expor todos os nossos desejos diante de Deus em oração -
Temos visto quão abrangente foi a oração de Jabez. E a nossa também deve incluir todas as nossas necessidades, temporais, espirituais e eternas. Não há nada tão grande, que não tenhamos a liberdade de lhe pedir, nem qualquer coisa tão pequena, mas é preciso reconhecer toda a nossa dependência de Deus para isto. Na verdade, não há nada grande ou pequeno, seja diante de Deus, ou em referência a nós mesmos: pois, como todas as coisas são facilmente iguais para ele, que formou o universo por sua palavra, e conta os cabelos de nossas cabeças, então não há nada, embora mínimo, que não prove ser possivelmente de extrema importância para nós, como cada parte do volume inspirado atesta. A direção de Deus para nós é: “Em tudo, pela oração e súplicas, e com ação de graças, sejam conhecidas as vossas petições diante de Deus.”

2 . Devemos insistir em nossas petições com uma importunidade que não receberá nenhuma negação
Assim como Jacó: “Eu não te deixarei ir, se não me abençoares.” E assim deve ser conosco. Temos, em verdade, uma melhor súplica do que a que Jabez foi capaz de oferecer Podemos ir em nome de Jesus Cristo, e pleitear tudo o que ele fez ou sofreu por nós. Podemos olhar para ele como nosso Advogado com o Pai, que assegura tanto a aceitação de nossas pessoas quanto de nossas orações através de sua contínua mediação e intercessão sempre prevalecente.
A conduta do rei Joás deve ser um aviso para nós. O Profeta Eliseu lhe disse que ele deveria ferir os sírios que tinham muito oprimido todo o povo de Israel, e lhe pediu para ferir a terra com as flechas que estavam em sua mão, e, para expressar por este meio os desejos e as expectativas que ele sentia em referência a este grande evento. O rei feriu o solo apenas três vezes, quando ele deveria ter ferido cinco ou seis vezes, e assim por sua própria falta de zelo conteve os esforços do Deus Todo-Poderoso em seu favor. E é assim que agimos. Se fôssemos mais sérios em nossos desejos, e muito mais profundos em nossas expectativas de Deus, não haveria limites para a misericórdia que Deus iria exercer em relação a nós.
“Nós não estamos estreitados nele, mas em nossas próprias entranhas.”
Devemos sempre “abrir bem a nossa boca, para que ele a preencha.”
Podemos pedir o que quisermos e isto será feito por nós (João 14.13,14).

3. Devemos pedir com fé sem duvidar -
A mente duvidosa vai nos roubar de todas as bênçãos, e fazer nossas orações mais urgentes de nenhum efeito (Tg 1.6,7). Devemos “crer não somente que Deus é galardoador dos que diligentemente o buscam.” Sim, devemos “crer que o temos recebido, a fim de que possamos receber.” E “de acordo com a nossa fé isto deve ser feito para nós.” Na verdade, há uma espécie de onipotência da oração da fé, e, se assim posso dizer, o próprio Deus não pode, eu posso dizer com certeza, não vai rejeitá-la. Ele fala como ela tivesse um poder intrínseco operativo (Is 45.22). Naturalmente, esta ideia não deve ser incentivada muito longe, mas temos certeza de que, como Deus nunca o fez, então ele nunca vai, dizer a qualquer um dos filhos de Jacó, “Buscai o meu rosto em vão”.
“Oh, que tu queiras me abençoar de fato! Deixe-me ser fortalecido por ti em todos os meus conflitos espirituais. Deixe meus inimigos, minhas corrupções residentes, serem mortas diante de mim. E deixe-me entrar na plena posse da Canaã celestial, onde descansarei de meus trabalhos, e serei feliz para sempre no seio do meu Deus.” Então, irmãos, façam todos os seus pedidos chegarem com aceitação diante de Deus, e retornarem em bênçãos sobre vocês em toda a extensão das suas necessidades.
Tradução e adaptação de um texto em domínio público, de Charles Simeon.

Nenhum comentário:

Postar um comentário